terça-feira, 17 de julho de 2012

TUDO SOBRE MANDALAS

HISTÓRIA

Desde o princípio da humanidade, o homem sentiu a necessidade de se expressar. Dessa necessidade, surgiu o desenho e, a partir dele, as mais variadas formas de arte.

Relembrando um pouco a vida de nossos antepassados humanos, percebemos que eles viviam em contato direto com a natureza e sobreviviam da caça e da colheita.

A caça, a colheita e a própria sobrevivência humana dependiam do Sol. E sob sua luz eram realizadas. Por isso, o astro rei (o Sol) era reverenciado com grandes festas e considerado como divindade. A forma com que o percebiam era o círculo e o projetavam nas danças e em outros rituais realizados na sua ausência (noite).

Na escuridão da noite, as tribos primitivas se acomodavam em volta de uma fogueira, também numa forma circular para que todos pudessem receber a luz e o calor do fogo. Depois de algum tempo diante da fogueira e cansados da lida no trabalho do dia, as pessoas dormiam. Dessa forma, a Lua também era reverenciada como divindade.

O trabalho durante o dia e o descanso à noite era uma prática de todas as tribos. Razão pela qual o Sol e a Lua eram reverenciados como divindades em todas as partes do mundo.


Na Idade Média, o círculo ganhou um caráter místico e estava presente em todas as igrejas, tanto na arquitetura como nos seus famosos vitrais. Representavam Deus, como fonte da vida espiritual. E foram chamadas de “ROSÁCEAS”.
 

Com a modernidade, essa prática ficou esquecida. Porém, em meados do século XX, o psiquiatra e psicanalista Carl Gustav Jung observou que muitos de seus pacientes faziam desenhos que começavam do centro para fora. E em conversas com esses pacientes descobriu seu significado. 

Os trabalhos de Jung com trabalhos artísticos com esquizofrênicos se tornou conhecido no mundo todo. E com eles, as rosáceas,  passaram a se chamar “MANDALAS”.
 

SIMBOLOGIA

Como vimos, desde a era primitiva, os seres humanos em sua maioria, trabalham durante o dia e descansam à noite. Essa rotina alternada de dormir e acordar com a luz solar simboliza os estados de consciência e de inconsciência dos humanos e estão representados no círculo central da mandala.

Os círculos que se seguem em torno do círculo central representam a vida das pessoas. O primeiro, a vida inconsciente refletida por medos, anseios, expectativas, etc. Os posteriores, o consciente, refletidos pelas experiências pessoais ou sociais, ou seja, por gostos, desgostos, encantos e desencantos. E o último, o equilíbrio entre o consciente e o inconsciente.

AS MANDALAS PARA JUNG

A grande preocupação de Jung, refletida em sua teoria, é a de mostrar a todos que o homem nasce predestinado a se encontrar consigo mesmo (individuação) e com Deus (Self). 

Dessa forma, para Jung, as mandalas simbolizam o ponto de encontro entre a unidade humana e o divino, ou seja, o encontro do homem com Deus, motivo indispensável para a existência de todo um processo de evolução humana, seja no campo pessoal ou no campo espiritual.

MANDALAS TERAPÊUTICAS

Segundo Jung, as mandalas, por serem atraentes e belas, também trazem benefícios curativos. A busca do equilíbrio pessoal, já que vivemos numa sociedade caótica e tresloucada como a nossa, tem sido a razão de sua propagação por inúmeros terapeutas.

Podemos utilizar as mandalas por vários motivos: para relaxamento, para o autoconhecimento, para descargas emocionais etc. Mas, estas devem ser realizadas com a ajuda de profissionais sérios e confiáveis. Há muita picaretagem por aí.

MANDALAS COMO FORMA DE ARTE

As mandalas não deixam de ser uma forma de expressão. E, portanto, artísticas. E neste caso, podem ser praticadas por qualquer pessoa, sem que se busque a significação. Na Internet, encontramos várias, prontas para colorir. Neste caso, servem como elementos decorativos.

FORMAS DE MANDALAS

Normalmente, as mandalas são circulares. Mas, também podem ser quadradas ou retangulares, como vimos no vídeo postado anteriormente.

 



CRIANÇAS DESENHAM MANDALAS

Não é muito comum. Mas, de vez em quando, nos surpreendemos com crianças com e sem deficiência fazendo mandalas em desenhos livres. Para saber se são mandalas ou não, é preciso observar todo o processo de seu desenho e conversar com elas, buscando o significado.


7 comentários:

  1. Sueli querida! As tuas palavras me sensibilizaram... as lágrimas chegaram até as beiradinhas! É por isto que posto e escrevo, para pessoas como você.... Com este sentimento de alma e coração! Muito obrigada! No início de minha postagem há um selo pelo dia do amigo!
    Por favor aceite-o! É de coração!
    Feliz Dia do Amigo (meio atrasadinho)!
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Voltei porque esqueci de comentar, rsrsrs! Parabéns! Uma postagem bem feita, instrutiva! Ilustrada! Adorei! Ah! Independente de qualquer coisa, posso contar com teu voto no Top Blog Brasil? Podes votar em quantos blogs quiser!
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia os Mandalas. Hoje, aprendi mais um pouco. Bjs de Portugal.

    ResponderExcluir
  4. eu ja sabia umas coisas sobre mandalas mais agora aprendi muito mais,muito obrigada pela ajuda...


    RENATA E NANDA

    ResponderExcluir
  5. Adorei!!!Eu sempre gostei de MANDALAS ...Achei Q havia Algo de Divino ...Adoraria levar o Artigo e distribuir para tantos q gostam e desconhecem!!!
    Bjusss
    Angella Tavares

    ResponderExcluir

OBRIGADA PELA VISITA.

Espero que tenha encontrado o que precisava, tenha gostado do que encontrou e que volte muitas outras vezes. Ficarei muito feliz se você deixar um recadinho para mim.